23 de maio de 2016

Jogo



uma porta trancada
um ferrolho

um pedaço de pau
um apoio

um retrato antigo
um olho

um corpo quente
um enjoo

pra cada porta, uma segurança
pra cada pedaço, uma esperança
pra cada retrato, uma lembrança
para cada corpo, uma mudança

e a gente nunca se cansa
da porta
do pau
do retrato
do corpo

do jogo.




Nenhum comentário:

Diário

fico parada observando o nada, a torneira que pinga achando estranho uma pessoa que tropeça e não xinga mas na verdade eu morro é de dó ...