2 de outubro de 2015

Casamento Michelle e Friedrich (fragmento)




A minha ideia desde o início foi a de contar uma história de amor.

Dar nomes ao amor.

Nomes de cidades, de estados, de coisas, de sensações, nomes de gente.

Mas só que o amor não se define, não se batiza, o amor se sente.

E eu senti o amor aqui na minha frente.
Não só de vocês dois, mas de todos aqui presentes.
Amor de pai, de mãe, de vó, de amigos. 
Amor de parentes.

O amor na sua amplitude, na sua imensidão. 

O amor presente.



Nenhum comentário:

A temer

Nascemos e fomos adestrados para sentir medo. Medo do desconhecido por todos medo do que já foi vivido por tolos medo do que virá a...