28 de março de 2015

Na porta




Será que importa?
O que virou, o que mudou, o que terminou.

Ainda importa?

Embrulhei tudo numa seda rasgada, com estampa de corações
e deixei na sua porta.

Agora sim, não importa.




Nenhum comentário:

A temer

Nascemos e fomos adestrados para sentir medo. Medo do desconhecido por todos medo do que já foi vivido por tolos medo do que virá a...