25 de agosto de 2014

Vodu



A dor está sempre presente
em seu sentido literal
e às vezes também latente.

Dor doída, dolorida, repetida.
A verdade é que está sempre ali, doendo.
Ela segue mapeando meu corpo
mas no coração, já não sinto mais.

Dói é a boca, as costas, os tornozelos
doem os joelhos.

Dor que me faz sentir, ainda, humana
ciborgue de gente.

Dor de dente
dor de repente
dor de doente.
Saudável, só a mente.


Nenhum comentário:

A temer

Nascemos e fomos adestrados para sentir medo. Medo do desconhecido por todos medo do que já foi vivido por tolos medo do que virá a...