24 de outubro de 2012

Poesia por JÚLIA MELO

MINHAS ASAS

"Às vezes ganho asas
ganho não, as conquisto.
Asas de todo jeito, leves, pesadas...
Mesmo assim vôo, não resisto
essas asas minhas são.
Posso te levar comigo para voar
basta querer que as suas crescerão.
Minhas asas me fazem pensar
como seria viver sem elas
não posso nem pensar
seria uma dor daquelas.
Ficaria sem uma coisa que eu amo,
o imaginar."
Júlia Melo

Essa é minha afilhada.
Feliz aniversário, muita poesia e muita alegria em sua vida!!!


Nenhum comentário:

A moça do bonde

A moça é daqui, de lá, de longe ela acorda cedo todo dia, pega o bonde ela não quer virar estatística de ONG. A moça é daqui, de l...