30 de outubro de 2012

Conjugando



Descortinando o que está à minha volta
eu percebo que felicidade é coisa remota
e o quanto caminho por estradas tortas.

Mas
desenhando o que minha mente projeta
eu enxergo o que não está na minha reta
e penso que às vezes posso até estar certa.

E talvez
transcrevendo um devaneio mais íntimo
eu consiga extinguir meu papel de vítima
e acreditar que o que me fez mal é ínfimo.

Então continuo
desmanchando o que antes parecia sólido
e decifrando o que já não é tão óbvio,
porque só quero me embebedar do válido.

Conjugando e andando...


Nenhum comentário:

A temer

Nascemos e fomos adestrados para sentir medo. Medo do desconhecido por todos medo do que já foi vivido por tolos medo do que virá a...