17 de junho de 2012

Comer: nem muito e nem pouco, apenas bem.

"Bebida é água
Comida é pasto...
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?"
Titãs

Por um período da vida eu e minha família quase passamos fome.
Ficou no quase porque minha avó era costureira e, como morávamos perto dela, acaba nos ajudando. A dificuldade sempre foi uma constante em nossas vidas.
O tempo passa, a condição melhora e, pelo menos, a gente pode comer de vez em quando aquilo que tem vontade.
Podia.
Porque agora sou escrava de um estômago e de um intestino que já não funcionam mais em perfeito estado. Quase tudo que como me dá azia e agora, pra completar, aumenta minha glicose também. Sei que preciso de mais disciplina para evitar esse tipo de coisa. O ideal hoje seria morar novamente com meus pais, nada mais saudável que comidinha de mãe. Morando sozinha eu me alimento 80% do tempo na rua, o que é péssimo!
Não é nada fácil aceitar que agora eu tenho uma vida alimentar completamente regrada.

Sem falar na parte do peso né!?
Se antes eu podia comer mas não tinha o que, agora eu não posso porque tenho que me manter nos 65kg e não nos 80kg que costumo chegar na fase de "engorda". Apesar de não ter históricos familiares de obesidade e nem de ganho fácil de peso, comigo isso acontece, e muito. E aos trinta e seis anos de idade manter-se no peso não é uma tarefa nada fácil, metabolismo desacelerando...

Mundo estranho, injusto e desigual.
.
.
#MomentoRevolta

.

Um comentário:

Suzana Luna disse...

Estou com azia hoje de novo...

A temer

Nascemos e fomos adestrados para sentir medo. Medo do desconhecido por todos medo do que já foi vivido por tolos medo do que virá a...