14 de dezembro de 2011

28ª sessão

Boa noite!
Acabei de chegar da Confraternização da empresa em que (graças a Deus) trabalho.
Nossa, foi muito bom. Fui muito bem recebida por todos mesmo depois de dez meses de afastamento, e tive excelentes notícias no que diz respeito ao meu retorno ao trabalho.
Conversei por horas com o "fodão" do Jorge. Porra, ele é um cara muito bacana, não havia tido tempo para conversar assim com ele, trabalhei apenas um mês lá e logo em seguida descobri o câncer.
Ele ganhou minha total admiração. E é "fodão" mesmo.
Andréa, Neles, Amanda, Jorge e Marcelo, o meu muito obrigada.


Bem, vamos à sessão de hoje.
Acreditam que saí de lá quase três horas da tarde?!?!? Nossa, hoje estava tudo muito lento, muito cheio, necessitando de muita paciência de todos nós, que por ironia do destino, somos chamados de PACIENTES, rss.


Hoje conheci a história de Larissa. Ela tem nove anos, é de Esmeraldas e teve câncer no cérebro.
O tumor foi retirado, porém, deixou uma delicada sequela: ela perdeu totalmente a visão.
Nunca tinha visto a garota por lá, hoje foi a primeira vez.
Já passava do meio dia (e eu ainda não havia sido atendida) e a vó dela estava abrindo um marmitex de almoço ali mesmo, na sala de espera.
Larissa disse assim:
- Deixa que eu como sozinha!
Então me deparei com uma deficiente visual tentando apalpar a comida, ainda adaptando-se à condição de "portadora de necessidades especiais".
Meus olhos se encheram d'água, não aguentei gente, não mesmo. Tive que chegar perto e conversar, tocar em Larissa, fazer um carinho. Perguntei se a comida estava gostosa e ela disse que sim. Ofereci um suco pra ela tomar junto com o almoço, ela aceitou. Fui ao restaurante em frente ao Centro Quimioterápico e comprei um suco de caixinha e um chocolate pra ela, que ficou toda feliz, e a vó dela mais ainda.
As pessoas lá são, em sua grande maioria, muito, muito, muito humildes.


Quando voltei, sentei do ladinho de Larissa. Os cabelos caíram com as sessões de quimio mas já estão crescendo novamente. A vó dela disse que ela não gosta de sair na rua quando está em casa (Esmeraldas) porque está com o cabelo igual de menino e se sente gordinha (com certeza por conta dos corticóides que tomamos). Respondi fazendo carinho nos cabelos dela, dizendo que não, que ela estava ótima, que era pra parar de bobagem. Ela é uma menina muito bonitinha - a propósito, preciso comprar uma máquina fotográfica, gostaria que vocês, meus leitores, conhecessem cada uma das pessoinhas maravilhosas que cito aqui.


Minha senha apareceu no painel e tive que entrar para tomar a medicação, queria ter conversado mais. Mas com certeza não faltarão oportunidades. Eu quero voltar ao Centro Quimioterápico mesmo depois que tudo isso acabar - pra mim.


Pra terminar, revi também Dona Jacira e Seu Geraldo, continuam fofos e as sessões dela também devem terminar agora no final do ano.


Beijos e boa noite.

Um comentário:

claudia disse...

Oi Suzana! vc é um exemplo de vida amiga! tenho orgulho de ter passado um dia pea sua vida! beijo e Deus te proteja sempre!

A temer

Nascemos e fomos adestrados para sentir medo. Medo do desconhecido por todos medo do que já foi vivido por tolos medo do que virá a...