25 de outubro de 2011

21ª sessão

Boa noite.
Mais um dia, menos uma sessão.
Hoje descobri porque as náuseas estão tão constantes em minha vida quimioterápica. Porque pedi para Dra. Maria Nunes retirar o corticóide do meu preparo (DECADRON). Pronto, não fico ainda mais gorda e inchada porém, sinto náuseas e enjoos. Bom, como dizem por aí: a vida é feita de escolhas. Escolho não pesar 100kg quando terminar o tratamento, rss. Há algumas semanas venho mantendo meu peso (alto) estável. Menos mal...


Hoje conheci a história de Gabriel (nome de anjo não é à toa). Ele é de Sete Lagoas e teve um tumor no cérebro. Tem três aninhos de idade. Descobriu quando começou a sentir dor de cabeça, apenas do lado esquerdo. Segundo a mãe dele, colocava a mãozinha exatamente onde o tumor se localizava quando reclamava da dor. Coincidência?! Não sei. Bom, vinte dias atrás ele foi submetido à cirurgia para retirada do câncer, que graças a Deus era localizado. A cicatrização de Gabriel é sensacional, o corte ficou grande na cabeça, mas está indo muito bem. Fez somente uma sessão de quimio e já está carequinha. Alegre e com um bicho de pelúcia engraçadíssimo que o faz dar gargalhadas mais que gostosas! É uma espécie de pássaro, roxo, cintilante e que faz um barulho de gaivota, rss. Deu pra entender?! Não né?! Mas virou uma dupla perfeita. Ele ganhou o bicho no Dia das Crianças da Casa Aura - sempre ela.

Fiquei sabendo que existem outros tantos lugares chamados "casas de apoio" que ajudam (e muito!) as famílias de crianças em tratamento oncológico e que não moram em Belo Horizonte. Ainda bem.


Vi também a Maria Clara, a menina do chapéu lilás. Está ótima e o cabelo já cresceu bastante.
Queria muito ter notícias do Igor.


É muito bom ver a evolução dessas criaturinhas que estão passando por momentos tão complexos em suas vidas.
.
.

19 de outubro de 2011

20ª sessão

Oi pessoas!
Tudo bem com vocês?
Comigo agora está começando a melhorar, ontem ainda enquanto tomava a medicação comecei a me sentir mal. Quase vomitei no restaurante em que TENTEI almoçar. Tentei mesmo, porque a comida ficou toda no prato, tomei apenas o suco. Muitas náuseas, estômago embrulhadinho. Fui pra casa e continuou assim, tomei meu comprimido de Nausedron e tentei dormir. E consegui. Então passei a noite em claro por conta de duas horinhas de sono à tarde... Triste, não?!
Bom, ontem completei 2/3 do tratamento, agora faltam apenas dez sessões. Espero que o mal estar não passe muito disso que senti ontem, por favor, não é nada agradável...
Vi alguns companheiros mirins novos por lá, mas não conversei com suas respectivas mães ainda para conhecer suas histórias.
Saudades do Marksuel., espero que ele esteja bem.
Bom, é isso. Não estou muito inspirada. Sorry.
.
.

13 de outubro de 2011

19ª sessão

Oi pessoas, demorei né?!
Mas é que na terça cheguei em casa tarde e ontem foi feriado e não costumo entrar na internet...


Nessa última sessão não tenho muitas histórias pra contar não. Cheguei lá num mau humor do cão, não estava com paciência para muito papo com as pessoas, infelizmente.


Como foi véspera do Dia das Crianças, meus companheiros mirins receberam presentinhos. A psicóloga entregou a cada um uma pasta com desenhos para colorir, lápis de cor, borrachas, cadernos, etc... E disse que foi presente de um dos pacientes da oncologia, mas não falou o nome. Não preciso nem dizer que as crianças amaram né?! Uma das mães me contou que sempre tem algum tipo de comemoração lá nas datas especiais. Bom, no Natal eu ainda estarei por lá. Ah, e no meu aniversário também!

4 de outubro de 2011

18ª sessão

Oi.
Hoje não tomei "chá de cadeira", mas fiquei tão esgotada, um cansaço físico danado... Sem falar na chata dorzinha de cabeça. Almocei, vou fazer esse post aqui e vou deitar.


Então, hoje conheci Maria Clara de quatro anos. É a boneca mais linda da quimioterapia pediátrica, uma carinha boa que só vendo... De chapeuzinho de crochê lilás que combinava com a blusa de frio roxa com lantejoulas. Toda fashion!
Conversei com a mãe dela, são de Bertópolis, município na região de Nanuque e Teófilo Otoni e estão aqui em Belo Horizonte na Casa Aura. Maria Clara teve um mega tumor no rim direito, que foi descoberto por um inchaço no lado direito de sua barriga. O rim foi retirado pois já estava completamente tomado pelo câncer. Ela está carequinha, mas hoje - felizmente, ela já nem fez quimioterapia mais, sua última sessão foi semana passada. Agora ela vai internar para fazer um exame mais detalhado e estará liberada. Bom né?!


Quando entrei na enfermagem para tomar minha medicação havia um senhor já terminando sua sessão. Mas foi o tempo suficiente de ouvir uma coisa muito interessante. Mais ou menos isso:


"- Quando a gente recebe a notícia que tem um câncer a gente pensa: eu sou um pecador mesmo, devo ter feito o mal pra várias pessoas, fiz muita bobagem durante a vida e agora veio o castigo. Mas não é isso não. Um dia eu estava lá fora lanchando e conversei com duas mães que traziam seus meninos para fazer quimioterapia. Um de dois anos e um de quatro anos. Aí eu pensei, esses seres são muito pequenos, muito inocentes, são crianças. Não deu tempo ainda deles terem feito o mal pra alguém. Não tem como essa doença ter vindo pra eles pagarem por algo de errado! Então só pode ser Deus mesmo querendo mostrar alguma coisa pra gente né?!"


Aí a medicação dele terminou e ele se foi. Não sei seu nome e nem que tipo de câncer ele teve.


Para terminar, hoje é dia de São Francisco de Assis:



Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor,
Onde houver ofensa , que eu leve o perdão,
Onde houver discórdia, que eu leve a união,
Onde houver dúvida, que eu leve a fé,
Onde houver erro, que eu leve a verdade,
Onde houver desespero, que eu leve a esperança,
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria,
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, fazei que eu procure mais
consolar que ser consolado;
compreender que ser compreendido,
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe
é perdoando que se é perdoado
e é morrendo que se nasce para a vida eterna...





Diário

fico parada observando o nada, a torneira que pinga achando estranho uma pessoa que tropeça e não xinga mas na verdade eu morro é de dó ...